© Todos os direitos reservados
     Criado por:

WERKSTATT STUDIODESIGN

EDUCADORPONTOCOM Capacitação e Desenvolvimento é pessoa jurídica, registrada no CNPJ sob o nº 27.900.272/0001-02
Rio Grande do Sul - Brasil

DEZ DICAS PARA ESCOLHER O SEU CANDIDATO

 

Depois de ouvir, por algum tempo, diversos argumentos a favor ou contra diversos candidatos ou ideias, no cenário atual, na véspera das eleições para Presidente da República, Governadores, Deputados Estaduais, Deputados Federais e Senadores, resolvi elencar alguns indicadores que refletem o que penso em relação ao perfil que os candidatos deveriam ter, sem mencionar qualquer candidato ou partido.

São os seguintes:


1. Que seja contra Ideologia de Gênero

A Ideologia de Gênero difere da Política de Gênero.

Enquanto a segunda reflete ações que igualam os direitos entre homens e mulheres, a segunda é uma estratégia gramscista que visa atacar os 3 pilares sólidos da sociedade: família, escola e igreja.
 

2. Que seja contra a descriminalização do aborto e das drogas

A vida inicia no momento em que ocorre a união entre o espermatozoide e o óvulo. Como Cristão, não tenho como ir contra o 5º Mandamento, que diz: "Não Matarás". Qualquer justificativa que vá contra a vida deve ser combatida.
O argumento não é muito diferente com relação à descriminalização do uso de drogas. O Estado é responsável pelo combate ao que é nocivo ao cidadão. Descriminalizar não vai resolver o problema. O Estado precisa combater o tráfico e não legalizar o consumo.

3. Que seja a favor do fortalecimento dos estados e municípios e redução do poder central
Sou FEDERALISTA, uma vertente política que defende  a centralização do poder nos estados e municípios, tendo o poder central uma função mais política do que executiva. Com isso, estados e municípios passam a gerir e a usufruir dos seus recursos e não depender do repasse monetário por parte da federação.


4. Que não tenha investigação, processo criminal ou que não esteja preso
Se tem investigação em andamento, é porque há suspeitas de que houve conduta inaceitável. Se já há processo criminal em andamento, é porque não há mais suspeita. Se está preso, é porque a suspeita já foi comprovada e o candidato foi condenado. Não há como aceitar a candidatura de quem é condenado por conduta inapropriada.